NOTÍCIAS

CARANGUEJO - 02/02/2011


Entre Angra e Paraty


 

Os caranguejos vivem nas regiões litorâneas de todo o mundo, sendo que algumas espécies são encontradas em manguezais, como o caranguejo-uçá, o aratu e o guaiamum. Alimentam-se, principalmente de peixes e matéria orgânica morta. Durante a maré alta, estes animais permanecem na toca e, na maré baixa, saem em busca de alimento. Os machos podem alcançar cerca de 70 e 89 mm de comprimento e largura de carapaça, respectivamente, já as fêmeas, 54,5 e 65mm.

Os caranguejos são muito semelhantes aos siris. A diferença entre eles está em suas patas locomotoras: as dos siris apresentam-se em forma de pá, auxiliando na natação; enquanto que nos caranguejos, elas se apresentam em forma de unha, auxiliando na locomoção terrestre. O caranguejo-uçá possui cor variando do amarelo-acastanhado ao azul. Tem 10 pernas de cor arroxeada, com pelos. O primeiro par de patas é bem desenvolvido e forte, terminando numa garra ou pinça. Vive no interior do manguezal, em locais sombreados e lamacentos, cavando tocas. O guaiamum possui cor azulada ou acizentada. As pinças são esbranquiçadas e não possuem pelos nas pernas. Vive nas bordas do manguezal cavando suas tocas em locais secos e arenosos, próximos à água.

Os caranguejos são também importantes componentes para a geração de renda para a comunidade que vive na área litorânea e próxima aos mangues. No Brasil, em todas as regiões de mangue, existem pessoas que vivem da cata do caranguejo, para vender a bares e restaurantes do litoral ou a atravessadores, que comercializam o produto nos grandes centros. São os chamados catadores de caranguejo, que entram no mangue na maré baixa, quando as tocas ficam descobertas. Na região de Angra dos reis, podemos ver nas estradas, indo para Paraty ou para o Rio de Janeiro, catadores oferecendo pencas de caranguejo para os viajantes.

Entretanto, os fatores climáticos, o avanço imobiliário e a construção de portos em áreas de mangues, com a conseqüente perda de habitats, a poluição e a captura indiscriminada e não seletiva dos caranguejos podem comprometer suas populações. Educação ambiental visando à sustentabilidade dessa atividade, como por exemplo, respeitar a época do defeso, que vai até 30 de novembro, em Angra dos Reis; a garantia de melhores condições de vida às pessoas que vivem da cata desses animais, podem ser medidas eficazes.

 

Fonte: www.brasilescola.com.br

          www.infobibos.com/artigos

 

Segundo o sr. Assis, um catador que vive na morada do Bracuí e sustenta sua família com a venda de caranguejos  na estrada ou até mesmo por telefone(24) 9823-3172, o número de vendas nesta época aumenta muito devido ao fluxo de turistas nas estradas. Geralmente, o caranguejo é prepadado em um molho com diversos temperos, do qual é feito um pirão para acompanhá-lo. Há também as deliciosas casquinhas de caranguejo.

 

LINKS DE RECEITAS

 

http://www.cozinhabrasileira.com/comidas_africanas/caranguejo_grelhado.html

 

http://receitas.maisvoce.globo.com/Receitas/Peixes_Frutos_do_Mar/0,,REC958-7773-55+CARANGUEJO,00.html

 

http://tudogostoso.uol.com.br/receita/33781-caranguejo-com-pirao.html