NOTÍCIAS

"Casal Nardoni é condenado" - 27/03/2010


Um verdadeiro circo


 Por Aline do Couto - Jornalista

Nos últimos cinco dias foi isso que eu assisti pela TV e vi na internet. Um verdadeiro circo de horrores, criado a partir do julgamento de Alexandre Nardoni e Anna Jatobá, pelo assassinato da filha de Alexandre e enteada de Anna, a menina Isabella, na época com apenas cinco anos de idade.

 

A leitura da pena de ambos, de mais de 30 anos para Nardoni e de mais de 25 para Anna, foi televisionada ao vivo, em áudio, e populares se aglomeravam na porta do fórum, na cidade de São Paulo para se manifestar. O que eu vi foi quase uma festa com direito a gritos, salva de palmas e até fogos... isso mesmo, fogos de artifício!

 

Claro que compreendo a comoção da opinião pública sobre este caso. Era apenas uma garotinha e assassinada pelo próprio pai e pela madrasta. Vimos uma mãe, Ana Carolina Oliveira, sofrer em praça pública. E eu pergunto: tamanha exposição era necessária?

 

Obviamente qualquer pessoa com um mínimo de coração se coloca no lugar daquela mãe e sente dó por sua dor e pela perda de um ente que tinha a vida toda ainda para viver. E também sente raiva de Alexandre e Anna, pois afinal, que família é essa que simplesmente defenestra uma criança pela janela?

 

Mas daí a fazer-se disso um evento ou um motivo para aumentar a audiência na TV e incitar o ódio aos réus já é demais. Como jornalista, me revolto ao ver como uma cobertura jornalística pode ser tão absurda com transmissões ao vivo e um “acompanhe minuto a minuto” que eu encontrei em um portal de uma grande emissora de TV. Isso mesmo, minuto a minuto, como uma partida de futebol, ou algo do tipo.

 

Como seres humanos deveríamos respeitar mais a dor dos familiares daquele anjinho e até mesmo os condenados. Todos são seres humanos e merecem ser tratados como tal. Acredito mais na justiça divina do que na dos homens.

Espero apenas que tenhamos aprendido um pouco mais sobre como funcionam as leis brasileiras e sobre como a ética é extremamente necessária.

 

Cabe agora acompanhar os próximos acontecimentos, afinal o advogado do casal, Roberto Podval, irá recorrer da sentença.

 

Apenas gostaria que agora a nossa menininha pudesse descansar em paz.