Cultura e Arte

 

MARCOS SALO "AS CORES DA NOVA GERAÇÃO"

 

Um jovem idealista que sonha em expandir sua arte pela comunidade, assim encontramos Marcos Salo refazendo sua vida com a pintura. Ele nos apresentou seu trabalho artístico na Praça da Porteira, na Japuíba, espaço que atualmente divide  com  outro artista. Falou-nos sobre o quanto esse trabalho trouxe para ele paz e alegria. "Eu sempre preciso dar a primeira pincelada e logo aparecem colaboradores. Na Praça da Porteira reunimos alguns jovens que ajudaram. Muitas vezes sou intuído pelo coração ou solicitado pela própria comunidade para colocar trechos bíblicos que exaltam a criação.   Além de pintarmos muros, o chão da quadra também ganhou um colorido dando um tom especial ao local, onde muitas crianças e adolescentes treinam basquete e futebol". No local, é possível identificar um banco com diversas casinhas coloridas, pintadas no assento. Segundo Salo, foram pintadas por crianças da família de José Pimenta,  que dá nome à praça. As tintas são sempre doadas por moradores e pelo vereador Gedai  e muitas vezes os próprios moradores querem colaborar pintando. A ideia vem se expandindo por outros bairros da comunidade. Fomos a Manguinhos com Salo e vimos de perto o bairro ganhando colorido e participando ativamente das artes. Diversos muros de residências já foram pintados, solicitados pelos próprios moradores que pedem trechos bíblicos, uma tentativa de trazer alegria e esperança ao local, tão discriminado pela violência, mas onde existem pessoas de bem desejando sempre um dia melhor. Deus está muito presente nos traços de Salo que fala o rgulhoso do bem que sente dando um colorido à vida das pessoas e, principalmente, quando vê a identificação dos moradores que colaboram de todas as formas, cedendo tintas que muitas vezes estão em casa sem uso, pincéis e mão de obra.  Em metrôs e locais de grande movimentação as cores sempre foram trabalhadas para dar mais tranquilidade aos passantes e é assim que a comunidade recebe as pinturas. O jovem nos conta que antes de tornar sua pintura algo realmente produtivo, era pichador. Nascido na Bahia, o jovem de 21 anos já morou em Minas Gerais e há alguns anos vive em Angra dos Reis-RJ e idealiza um mundo melhor, onde haja paz, onde todos tenham oportunidades iguais.  Fala com emoção da importância de mostrar às crianças a esperança de um futuro mais alegre e promissor..
Atualmente, suas pinturas podem ser vistas na Rua Itaguaí, Rua Mangaratiba, Praça da Porteira e Manguinhos Quem quiser colaborar com material é sempre bem vindo, basta chamá-lo no facebook PORTEIRA. Salo também tem aproveitado a oportunidade e feito de seu dom para a pintura artística, uma fonte de renda, também pintando estabelecimentos comerciais. 
                        
Em grandes cidades como Rio de Janeiro e São Paulo é comum grafiteiros se tornarem artistas conhecidos, inclusive  mundialmente. Conquistar apoiadores  é sempre bem vindo, pois muitos desses jovens artistas são de comunidades e necessitam de incentivo para aprimorar sua arte e tê-las realmente reconhecidas. Logo após a entrevista, encontramos Jhonny Lopes, morador de Manguinhos, que convidado por Salo nos acompanhou e tirou as fotos que ilustram essa matéria. Jhonny  falou-nos sobre seu trabalho com aulas de dança e o grupo que comanda durante anos, que já atenderam a comunidade e que atualmente estão paradas por falta de apoio, manifestando sua vontade de colocá-las em prática novamente.
Salo se tornou um incentivador artístico e divulgador da arte de sua comunidade e logo nos apontou diversos jovens talentosos, e breve nos apresentará um artista que faz arte com espelhos.

A arte é um grande transformador de vidas. Cores, sons, imagens, corpo, palavras, toda a manifestação artística é capaz de transcender as diferenças e indiferenças. As barreiras são derrubadas, lágrimas e risos são extraídos da alma. Diante do belo ficamos em êxtase. O que é o belo se não o que realmente nos toca a alma? O artista traz sua emoção à obra e o espectador se identifica desnudando-se diante da arte. O dia em que a humanidade entender a profundidade de se fazer arte e todo o caminho que ela leva para ser realizada, o mundo será muito mais harmonioso e justo.
Quantos  morreram sem conhecer a arte e quantos deixaram de morrer porque conheceram a arte.
Dê a oportunidade a um artista de ser um artista. Dê oportunidade a si mesmo de ser um artista.
Há muitos “Salos” querendo uma chance.
 
 
Sombra e luz se misturam às tintas compondo arte
O silêncio quebrado com palavras cantadas e poetizadas
Na escuridão dos palcos a vida se faz luz
Na rocha desenhamos com sangue a história da humanidade
Em um novo tempo dançamos a alegria de uma vida abundante
Criando a Terra que queremos viver

 

Equipe: Japuíba On Line
Foto: Jhonny Lopes

 

 

____________________________________________________________________________________________

 

Tela retrata o entardecer na Ribeira.

Dedicações poéticas a Grande Japuíba.